COMPARTILHE
essa página
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppTelegramMessenger

Novas repercussões sobre a política monetária japonesa. Veremos uma valorização do Yen?

  

Nenhuma imagem ou texto devem ser tomados como indicação de investimento. Todo o conteúdo a seguir deve ser visto apenas com fins educacionais

O artigo abaixo irá apresentar as notícias que podem impactar os pares de moedas. É importante lembrar que preços de entrada e saídas são feitos pela análise gráfica, trataremos sobre nas discussões abaixo.

Farei aqui um breve resumo do cenário macroeconômico atual.

Essa semana nosso olhar estará voltado para as questões econômicas australianas e japonesas, já que a temperatura por lá está ficando quente. Os indicadores econômicos japonês podem nos dá pistas de qual será a nova direção do USDJPY.

Vamos falar mais em detalhes sobre esses novos pontos nos textos abaixo.

Pontos de Discussão – Declaração de Política Monetária do Banco Central japonês (Moeda Yene)

O Banco do Japão enfrenta uma difícil decisão de política monetária na sua reunião de dois dias que começa na segunda-feira, uma vez que o iene poderá enfraquecer ainda mais se um ajuste de política não for realizado, como é esperado por alguns nos mercados financeiros.

No entanto, muitos analistas do BOJ esperam que tanto as taxas ultrabaixas como o limite recentemente estabelecido de 1,0 por cento para os rendimentos dos títulos do governo japonês a 10 anos sejam mantidos, mesmo que o banco central aumente as suas previsões de inflação para os anos fiscais de 2023 e 2024, como esperado no seu relatório trimestral de perspectivas devido no final da reunião política.

Embora o BOJ pretenda manter os custos dos empréstimos em níveis mínimos para alcançar uma inflação estável apoiada pelo crescimento salarial, os rendimentos a 10 anos têm subido para 1,0% e os rendimentos do Tesouro dos EUA também têm subido à medida que a inflação se consolida.

Para complicar a equação para o BOJ esta crescente incerteza sobre as perspectivas económicas devido à guerra Israel-Hamas e às suas ramificações para o Médio Oriente e além.

A moeda japonesa está oscilando em torno da resistência de 150 em relação ao dólar americano, num reflexo da política de flexibilização divergente do BOJ. A tendência de enfraquecimento é também impulsionada pelo aumento dos rendimentos do Tesouro dos EUA, mantendo os mercados financeiros nervosos relativamente a uma possível nova ronda de compras de ienes pelas autoridades japonesas.

A fraqueza do iene também está a causar dores de cabeça ao primeiro-ministro Fumio Kishida, que planeia elaborar um conjunto de medidas de alívio para ajudar as famílias que lutam para lidar com o aumento dos preços dos bens de uso diário, impulsionado pelos custos de importação inflacionados.

No âmbito do seu programa de controlo da curva de rendimentos, as taxas de juro de curto prazo são fixadas em menos 0,1 por cento, enquanto os rendimentos a 10 anos são orientados para cerca de zero por cento. Mas o Banco do Japão tornou-o menos rígido, permitindo que os rendimentos a 10 anos refletissem melhor os fundamentos econômicos, desde que o rendimento permaneça abaixo de 1,0%.

A decisão de expandir a banda de negociação em julho veio depois de o banco central ter sido forçado a enfrentar a realidade de que o programa de limite de rendimento estava a acelerar a depreciação do iene devido ao fato de estar em descompasso com o Fed e o BCE, entre outros pares globais, o que havia entrado em um ciclo de aumento de taxas.

Contudo, o Banco do Japão manteve a sua posição pacífica, sublinhando a necessidade de persistir com taxas ultrabaixas porque a sua meta de inflação de 2% ainda não foi alcançada da forma que deseja. O Governador Kazuo Ueda citou a incerteza sobre se os aumentos salariais serão sustentados, o que é um requisito para que a meta de inflação seja cumprida.

Alguns membros do conselho do BOJ tornaram-se mais confiantes numa perspectiva que prevê mais subidas de preços no próximo ano, embora Kishida tenha alertado para o fato de o Japão voltar a cair na deflação, a menos que o país consiga inverter a tendência da inflação e ultrapassar o crescimento dos salários.

O BOJ prevê atualmente uma taxa de inflação de 2,5% para o ano fiscal de 2023, que acredita que desacelerará para 1,9% no ano fiscal de 2024.

A Confederação Sindical Japonesa decidiu exigir um aumento salarial de 5 por cento ou mais nas negociações salariais anuais para o ano fiscal de 2024, em grande medida em linha com o seu pedido para o ano em curso.

Pontos de Discussão – Banco Central Britânico (Moeda Libra)

 Esperamos que o Banco de Inglaterra mantenha as taxas inalteradas pelo segundo mês consecutivo. A inflação ainda está muito alta, mas esperamos mais progressos nos próximos meses e isso deverá permitir alguns cortes graduais nas taxas a partir do verão do próximo ano.

Na reunião do Banco de Inglaterra da próxima semana parece estar entre as menos imprevisíveis desde que o atual ciclo de aperto começou no final de 2021. A última decisão tomada em setembro acabou por ser uma faca e, em última análise, o comité optou por manter taxas mantidas em uma votação incomumente apertada de 5-4. É tentador concluir deste nível de divisão que o risco de uma subida em novembro é relativamente elevado. Afinal de contas, seria necessário apenas que um membro do comité mudasse de ideias para fazer pender a balança a favor de um maior aperto – mas temos dúvidas.

Em primeiro lugar, tivemos muito poucos dados desde aquela reunião de setembro, e é pouco provável que o que obtivemos tenha mudado o rumo. O Banco deixou claro que está a considerar três dados como principal guia para a política: o crescimento salarial do sector privado, a inflação dos serviços e o rácio entre vagas e desemprego (um indicador da rigidez do mercado de trabalho). Os dois primeiros, embora ainda desconfortavelmente altos, não surpreenderam materialmente positivamente nos lançamentos mais recentes. A inflação dos serviços está ligeiramente abaixo das previsões de agosto do Banco e o crescimento dos salários está um pouco acima.

Quanto aos números do emprego, a fiabilidade destes dados está em questão e os decisores políticos estarão relutantes em colocar muita – ou nenhuma – ênfase nos últimos números do desemprego. O mercado de trabalho está claramente a arrefecer, mas em que medida e com que rapidez é menos aparente. Curiosamente, a comissão também está a mostrar cautela relativamente aos últimos números salariais, que mostram que os pacotes salariais do sector privado crescem 8% em termos anuais e estão cada vez mais em desacordo com outros dados que sugerem que estão a diminuir mais rapidamente.

Resumindo, se você é um membro do comitê que votou a favor de um aumento em setembro, é provável que o faça novamente e vice-versa. Acrescente-se o fato de que um dos que votaram a favor de um aumento da última vez – Jon Cunliffe – deixou o comitê, e a sensação geral é que sua sucessora, Sarah Breeden, tem menos probabilidade de ir contra o consenso (e o governador) em sua primeira reunião. Uma votação de 6-3 a favor da manutenção das taxas é o cenário base na próxima semana.

Calendário Econômico para a Semana

Vejamos quais são as principais notícias para essa semana:

– Segunda – feira, 30 de outubro de 2023, 06:00 – IPC Zona do Euro;

– Terça- feira, 31 de outubro de 2023, 02:00 – Relatório de Política Monetária e Taxa de Política Monetária do BOJ; Confiança do Consumidor no Dólar Americano; Mudança na Taxa de Emprego da Nova Zelândia;

– Quarta – feira, 01 de novembro de 2023, 09:15 – PMI no Dólar Americano e Taxa de Fundos federais e Fomc;

– Quinta-feira, 02 de novembro de 2023, 09:00 – Relatório de Política Monetária do BOE e Taxa Bancária Oficial;

-Sexta-Feira, 03 de novembro de 2023, 09:00 – Taxa de Desemprego e PMI no Dólar Americano.

Experiência comercial Plus

Previous
Next

Abertura de conta rápida e fácil

  • Registre-se

    Escolha um tipo de conta e inscreva-se

  • deposite

    Deposite fundos na sua conta com uma ampla variedade de métodos de depósito

  • Faça trading

    Tenha acesso a mais de 1.000 instrumentos de CFD em todos os tipos de ativos no MT4/MT5.

Isso é tudo. É muito fácil abrir uma conta de trading Forex e CFD.
Bem-vindo(a) ao mundo do trading!
ABRIR CONTA REAL

Fale conosco

  • Questões gerais

    Estamos aqui para fornecer a você uma jornada de trading bem-sucedida, desde a abertura da conta até o financiamento e a negociação.

    [email protected]
  • Clientes Premium

    Se você estiver interessado em se tornar um premium para desbloquear serviços extras como, trader de alto volume ou se juntar ao Clube Vantage, envie-nos um e-mail abaixo.

    [email protected]